5 meses

Nem acredito que já estamos no quinto mês desde que ele nasceu! Tirando a privação de sono (essa parte parece que demora uma eternidade), a sensação é que eu pisquei e o menino já tá quase comendo! Socorro! 

Esse foi um mês que o Pedro se desenvolveu muito em todos os aspectos! Nesse mês ele dominou de vez virar para os dois lados e se desvirar (mês passado ele virava mais para o lado esquerdo e com dificuldade para o direito, e não desvirava ainda)! Também começou a “minhocar” para alcançar alguma coisa do seu interesse, a ponto do pediatra dizer que tecnicamente esse “arrastar” já poderia ser considerado um engatinhar. É engraçado como ele se irrita por querer executar movimentos que ainda não consegue com perfeição, e como se esforça para isso (inclusive treina o tempo todo, até mesmo durante o sono)! Agora, no final do quarto mês, ele já se colocava na posição de 4 apoios por alguns segundos. A consciência corporal dele está super interessante, com ele ajudando para sair do bebê conforto arqueando as costas, dentre várias outras coisas que dá vontade de viver com uma filmadora registrando, rs! 

Ps: embora eu esteja relatando isso aqui, quero frisar que esses NÃO são marcos de desenvolvimento comuns para esse mês, então por favor não comparem seus bebês! Normalmente é esperado que os bebês façam isso apenas por volta dos 8 meses de idade, podendo haver variações para mais, para menos e também bebês que sequer engatinham (já partem logo para andar)! Tudo isso é considerado normal! E na verdade não faz a menor diferença no futuro. Como disse o pediatra na consulta de ontem: cada bebê tem seu próprio talento.

Com esse domínio maior de movimentos, ele passou a se mexer muito no sono e o berço acoplado ficou pequeno! Por isso eu coloquei a caminha montessoriana no chão do nosso quarto, ao lado da cama de casal, para ir fazendo a transição! Mas mesmo assim ele literalmente atravessa de uma ponta a outra da cama ao longo do sono, de tanto que se mexe! 

Falando em eventos incomuns para a idade (e aqui eu não falo para me gabar de forma alguma, apenas para relatar mesmo, até porque nada disso tem relevância em longo prazo), finalmente nasceram dois dentes! Digo finalmente porque desde os 2 meses e meio de vida ele parecia incomodado com a gengiva, até que chegou uma noite que ele chorou a noite toda de dor e ao tocar na boquinha dele eu percebi uma pontinha raspando meu dedo! Pronto! No dia seguinte o dentinho já era visível e no outro dia irrompeu o dente ao lado! 

Ps2: na maioria dos bebês os dentes só começam a nascer depois dos 6 meses ou mais, então também não se preocupem se o bebê de vocês não apresenta nenhum sinal de dentição por enquanto (e agradeçam por isso, pois é sofrido, viu?!!). Aqui foram muitos mordedores diferentes, picolé de leite materno e paciência! 

Ele ainda não senta sem apoio, mas para brincar e durante o banho ele só quer ficar sentado (com o nosso apoio)! Os banhos agora estão muito mais divertidos, eu coloco brinquedinhos e ele já pega, brinca, coloca na boca, bate as mãos e os pés na água, etc! De repente ele passou a AMAR o momento do banho (antes ele chorava para entrar no banho da noite, teve um período que eu até desisti de dar, e agora ele gosta tanto que faz um escândalo todos os dias na hora de sair)! 

A quantidade de cocôs deu uma diminuída grande (antes era em toda mamada, depois passou a ser umas 6x por dia, agora varia de 1 a 3x por dia) e também diminuiu bastante a quantidade de golfadas (mas depois do início do teste de provocação oral para APLV aumentou um pouco novamente)! 

APLV: fomos em um outro gastropediatra e ainda não fechamos o diagnóstico de APLV! Fiz no total 8 semanas de dieta de restrição absoluta de leite, soja e traços industriais de ambos, e agora estou na fase de provocação oral para observar as reações! No próximo mês eu atualizo no que isso deu, afinal! Tem destaques constantes sobre isso nos stories! 

Amamentação: continuamos em livre demanda e amamentação exclusiva, sem chupeta e sem mamadeira (sempre falo isso porque o conceito de livre demanda pressupõe que não tenha nenhum bico artificial, já que inclui a sucção não nutritiva) ! A mamada durante o dia está cada vez mais “difícil”, pois ele presta atenção em TUDO e não me deixa conversar enquanto ele mama, chegando a largar o peito e rosnar comigo e com os outros se atrapalharmos sua concentração naquele momento! Basta alguém passar perto para ele largar o peito e olhar para trás e repetir esse movimento 30 vezes enquanto meu mamilo fica dando “oi” para o mundo até ele voltar a mamar (se voltar)! Talvez por isso ele tenha aumentado a frequência das mamadas noturnas, pois as diurnas não estão muito eficientes! Tenho tentado amamentar em lugares privativos e silenciosos nessa fase, mas nem sempre é possível.

Sono: varia conforme o dia, mas em geral ele tira sonecas de 30-40 minutos a cada 2 ou 3 horas durante o dia! As sonecas começaram a ser em outros lugares (cama, rede, carrinho, etc) com mais frequência (antes eram só no colo, praticamente)! Mas primeiro fazemos ele dormir ninando ou no peito, depois transferimos para outro local já em sono profundo! Muitas vezes eu coloco ele para dormir na mochila também, assim ele fica no colo e eu fico com as mãos livres! 

O sono noturno não tem regra fixa, mas é comum que ele acorde após o primeiro ciclo de sono (por exemplo: dorme umas 19:30 e acorda 20:30, e aí dorme novamente mamando) e depois emende cerca de 3 a 4 horas! Daí em diante, só Jesus na causa! Na madrugada varia entre acordar de hora em hora, 2/2 horas…sendo que quase todos os dias tem sempre algum momento que ele acorda e não quer mais voltar a dormir (muitas vezes ele faz cocô e temos que trocar, então acaba despertando de vez! Ou apenas quer farra mesmo – treinar as novas habilidades, conversar, fazer barulhinhos com a boca, etc)! Aí eu fico pelo menos 1 hora com ele acordado ninando, tentando dar o peito e qualquer outra estratégia que faça a criatura pegar no sono novamente. Por volta de 6 da manhã (ou um pouco antes) ele acorda de vez!

O mais complicado disso tudo é que quando ele acorda à noite ou de madrugada só serve eu para resolver! Ele não acalma em nenhum outro colo sem ser o meu, mesmo que não queira mamar! Então a rede de apoio acaba não podendo ajudar muito nesse assunto, e por isso até hoje eu não consegui sair nenhuma vez de casa após 18h30 desde que ele nasceu. A minha teoria é que ele acorda tanto assim à noite por 3 motivos: quer verificar se a mamãe está por perto (e aí fazer cama compartilhada nem sempre funciona pelo tanto que ele se mexe e demanda espaço), precisa suprir o aporte calórico que ele não atinge durante o dia pela mamada estar mais “distraída” e por estar ansioso com todas as novas habilidades adquiridas (o eterno salto de desenvolvimento que parece que só emenda um no outro). 

E por último, a novidade é que eu voltei a trabalhar! Por enquanto são apenas duas tardes por semana e 4 horas por turno, mas como autônoma estava difícil ficar sem essa renda por tanto tempo! Sempre trabalhei, saí da casa da minha mãe e fui independente desde os meus 21 anos de idade, então é muito difícil para mim ficar só em casa. Como o Pedro ainda mama com uma frequência imprevisível, optei por levá-lo comigo e ele fica no meu consultório enquanto atendo nas cabines, ou passeando lá por perto com minha mãe! Levo tapetinho de atividade e alguns brinquedos para facilitar!

Vou confessar que não é fácil! Claro que estar com ele do meu lado o tempo todo tem uma enorme vantagem, pois além de proteger o aleitamento materno exclusivo (pois não tenho o trabalho de estocar leite e nem corro o risco da confusão de bicos caso os cuidadores dessem mamadeira), também diminui a ansiedade da separação de ambos! Mas também me priva da concentração necessária para atender no volume que eu gostaria (estou marcando menos pacientes para contar com a amamentação e imprevistos, e terminando cedo para não atrapalhar a rotina de sono), e acabo não tendo aquele momento só meu de viver e pensar outros assuntos além da maternidade que as mães relatam como positivo ao voltar a trabalhar! Sem contar a quantidade de tralhas que eu tenho que levar todos os dias (carrinho, bolsa de maternidade, brinquedos, etc)! Mas faz parte! Sei o quanto sou privilegiada em poder fazer esse esquema também!

Tão logo ele esteja com a alimentação estabelecida, ficarei mais segura de deixá-lo em casa durante esses períodos em que estou fora! A minha mãe (que é a minha principal rede de apoio, já que não tenho babá) estava tensa de ficar em casa com ele sozinha enquanto ele está em aleitamento exclusivo e resistente em dar o leite no copinho ou colherzinha (eu não tenho e não gostaria de usar mamadeira), então como tenho essa flexibilidade, achei melhor assim! 

Se um dia eu tiver um segundo filho, espero conseguir melhorar nesse aspecto de ter coragem de sair sem o bebê por mais tempo e ter certeza que ele vai sobreviver à minha ausência, rs.

Compartilhar

Comment (1)

  • Rafaela Reply

    Interessante este texto que acabei de ler em seu blog, continue assim com esses belos artigos. Parabéns belo blog.
    Noticias das loterias

    fevereiro 7, 2020 at 10:15 pm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *