7 meses

Desde que o Pedro nasceu eu comecei a fazer esses resumos mensais como um controle pessoal do que tinha acontecido de mais importante naquele mês! Era uma forma de ter algo para consultar no futuro quando quisesse me lembrar dos detalhes que o tempo faz a gente esquecer (e a natureza também, pois se não fizesse quase ninguém teria do segundo filho em diante, rs)! E hoje eu vejo quanta gente acompanha e fica até aguardando ansiosamente esses resumos, seja para saberem um pouco do que podem esperar no futuro, seja porque querem saber que não estão sozinhas nesse barco…acho muito incrível essa “comunidade” que a maternidade cria! 

De tudo que aconteceu no sétimo mês, sem dúvidas o mais marcante é que iniciamos a introdução alimentar! Mas esse assunto é tão absurdamente interessante e vasto, que eu decidi fazer 5 posts só sobre isso! Então vamos falar de outras coisas aqui!

Comportamento: depois da IA, a segunda coisa que mais marcou esse mês foi a intensificação da curiosidade do bebê! Mais do que nunca, a gente percebe a sede absurda que ele tem por observar e absorver absolutamente TUDO que está ao redor, olhando cada centímetro do espaço, vigiando cada passo nosso, virando o pescoço para entender de onde vem cada som quase imperceptível para nós, a mamada em 562 etapas (se passar um vento atrás ele se vira para verificar), e por aí vai! Se antes já era assim, agora ficou elevado à centésima potência! Ele está extremamente sociável, mexe com todo mundo na rua, fica louco quando vê outras crianças ou animais! E está com mania de gritar (muito agudamente) de empolgação o dia todo! 

Eu já sinto sinais da “angústia de separação” (quando o bebê se percebe um ser diferente da mãe e fica ainda mais apegado) desde o mês passado, e agora está bem notável o quanto ele não aceita ficar nem 1 segundo sozinho! Nas poucas vezes que o deixei brincando sozinho no tapetinho do quarto dele (que é todo seguro) para fazer alguma coisa super rápida, por exemplo, ele veio imediatamente engatinhando atrás de mim e chorando inconformado! 

Ele AMA se ver no espelho! Basta passar na frente de qualquer coisa com reflexo que ele fica dando gritinhos de alegria e até mesmo tentando se beijar! Falando em beijo, essa é uma das palavras que eu tenho certeza que ele já entende, pois mesmo que a gente nem esteja falando com ele, é só ouvir “beijo” que ele vem com a boquinha na gente! Coisa mais delícia! 

Desenvolvimento: Nesse mês nasceram os dois dentinhos de cima (agora são 4 no total) e ele dominou a posição de permanecer sentado sem tombar (mais para o final do mês ele também começou a conseguir se colocar nessa posição sozinho na hora que quer)! Está engatinhando de fato – o movimento certinho e coordenado, não apenas minhocar como ele já fazia desde os 4 meses – e também dominou ficar em pé com apoio (ele mesmo se pendura ou apoia em alguma coisa sozinho e fica em pé por bastante tempo! Quando se cansa, dobra os joelhos e senta). Lembrando que o Pedro sempre foi um bebê muito “motor”, e com exceção de se sentar sem tombar, nada disso é o que ocorre com mais frequência com bebês de 7 meses! Então POR FAVOR não comparem os bebês de vocês! Nada disso quer dizer nada no futuro (os desenvolvimentos se igualam depois). 

Amamentação: segue sendo a principal fonte de nutrientes dos bebês até 1 ano de vida! Continuamos em livre demanda, inclusive antes, durante ou após as refeições com comida sólida! A frequência das mamadas não mudou absolutamente nada após a introdução alimentar! Tenho o privilégio dele ainda poder mamar sempre “direto da fonte”, mas numa situação de ausência minha eu já estaria bem tranquila de oferecer meu leite ordenhado no copo 360, que ele já está bem adaptado para tomar água desde que comecei a oferecer aos 6 meses (e ele ama)! A novidade da amamentação é que agora ele mama igual menino grande: em qualquer posição, em pé, de ponta cabeça, de qualquer jeito que der! Quando quer mamar ele simplesmente tira minha blusa (abaixa, levanta, puxa a alça, rs) e mama! Simples assim!

Sono: no início do mês havia melhorado bastante o padrão (tanto da primeira pernada entre 19/20h e 0h que estava indo direto, quanto de madrugada) e agora regrediu novamente, acredito que pelo nascimento dos dentinhos. Eu boto ele para dormir na caminha montessoriana ao lado da minha e o deixo lá até a primeira vez que ele acorda depois que eu já fui dormir (por volta de meia noite, mas ele costuma acordar algumas vezes antes disso e coloco ele novamente na cama dele), e depois disso fazemos cama compartilhada! Como eu parei de olhar o celular de madrugada, nem faço idéia dos intervalos de sono que ele dá e de quantas vezes acordamos, e desde então a minha sanidade agradece, rs! É sério, faz muito diferença isso! Eu não sei se ele acordou 2 ou 20 vezes, pois quando ele acorda eu já plugo o peito e amamento deitada mesmo, assim todo mundo dorme mais rápido depois. Até que ele acorda de vez entre 06 e 07h, quando eu dou uma brincadinha, entrego para o pai e durmo mais um pouquinho (depende dos compromissos de ambos do dia)! Esse mês eu acho que eu atrapalhei mais o sono dele do que ele o meu, pois tive uma crise eterna de tosse que não parava nunca e só melhorou agora, rs!

As sonecas ainda são por volta de 4 no dia: por exemplo 8h30, 10h30, 12h30 e 15h30 (mas esses horários variam), e duram de 30 minutos a 1 hora no máximo (mais comum 30 minutos)! Antes tinha uma soneca por volta de 17h e pouco, que ele já não está mais tirando na maioria dos dias, ficando acordado até o sono da noite mesmo (entre 19 e 20h)! Na maioria das vezes fazemos ele dormir ninando e conseguimos transferir para a cama ou para o carrinho (na rua)! Em outras, isso não dá certo e ele fica no colo mesmo. 

Por volta de 18h sempre começamos um ritualzinho de janta, banho, mamá e dormir, mas sem engessamento e sentindo as necessidades dele. Alguns dias ele dorme mamando, em outros mama e quer ficar em pé, curioso com cada detalhe que ele consegue enxergar mesmo no escuro…aí eu “gasto” ele um pouquinho (deixo na caminha dele se movimentando livremente na penumbra e fico ao lado) e logo ele dorme, seja ninando, mamando de novo e raramente até sozinho!

Sigo atendendo todos os choros dele e acreditando que as crianças sempre demandam por algum motivo (muito mais nobre do que uma simples “manipulação” que eles sequer são neurologicamente capazes de fazer). Se querem saber minha opinião sobre treinamentos de sono que envolvem deixar o bebê chorar, vejam meus destaques “sono”! 

Trabalho: Continuo atendendo apenas dois dias por semana (voltei quando ele tinha quase 5 meses) e levando ele comigo. Minha mãe fica cuidando e nos intervalos de atendimentos eu amamento, dou lanche, pego, troco, etc. A idéia era deixar ele em casa nesses dois dias após a introdução alimentar, mas como ele ainda ingere de fato muito pouco alimento e depende muito do leite materno, eu prefiro levar e continuar a amamentar em livre demanda, pois confesso que morro de preguiça de ordenhar! Decidi não aumentar os dias de trabalho esse mês para poder participar ativamente da introdução alimentar dele e poder fazer do jeito que eu estudei e acredito ser o melhor!

A partir do mês que vem devo montar um esquema para poder trabalhar todos os dias (os outros 3 em home office com projetos online), assim continuarei amamentando e ofertando as refeições, mas não vou “cuidar” o dia todo como ainda estou fazendo (minha mãe ajuda muito uma parte do dia, mas mesmo nessas horas estamos sempre cuidando juntas). Sei que não é a realidade da maioria das mães poder contar com essa flexibilidade e imagino as dificuldades extras de quem precisa terceirizar os cuidados, ordenhar leite, etc. 

Ps: se você vai voltar a trabalhar com 6 meses e não tem flexibilidade, por favor não caia na cilada de adiantar a introdução alimentar para que você participe do processo! Sei que a tentação é grande, mas os prejuízos para o bebê de uma introdução alimentar precoce são maiores que os benefícios! Treine alguém da sua confiança para fazer exatamente como você gostaria e faça você quando for possível! 

Ainda não voltei a praticar atividade física, por uma questão de prioridade e falta de organização mesmo! Também nunca mais peguei um vale night desde aquela primeira e única vez no mês passado (quando fui para a festa de halloween de aniversário do Erico Rocha @rochaerico). Mas não se inspirem em mim nessa questão! Essa é uma coisa que eu brinco que gostaria de mudar se um dia tiver um segundo filho: encarar com mais leveza a minha ausência e me organizar melhor na questão “ordenha” para tornar isso possível! Mas como toda promessa de fim de ano, estou me comprometendo a voltar a malhar e ter mais vida social (e profissional) a partir do início do ano que vem…

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *