Contrações de parto: o que esperar?

Salve esse post ou marque uma grávida! ⁣⁣Desde o segundo trimestre da gestação, é comum que a barriga endureça em alguns momentos, permanecendo assim por algum tempo e depois voltando ao normal! No início, ela pode endurecer apenas em um dos quadrantes, formando “bolinhos”

que até parecem o pequenino bebê se mexendo, quando na verdade é apenas uma parte do útero contraindo mesmo (sinto desapontá-las, eu também achava que era o bebê nas primeiras vezes que aconteceu). ⁣⁣Essas contrações, conhecidas como “contrações de braxton hicks”, são indolores e não possuem uma regularidade definida. Ao final da gestação, elas tendem a se intensificar ainda mais e não costumam representar nenhum tipo de sinal de preocupação ou mesmo de trabalho de parto iminente, havendo mulheres que podem senti-las com bastante frequência e outras que sequer perceberão nada (todas essas situações são normais, ok?). A sensação que dá é de uma espécie de “pressão”, como se fosse um abraço leve na barriga. Algumas mulheres podem sentir um leve desconforto quando isso acontece e/ou vontade de fazer xixi. ⁣⁣Conforme essas contrações passam a incomodar um pouco mais e são acompanhadas de cólicas que ainda não possuem um padrão de trabalho de parto, chamamos essa fase de pródromos (tem post recente explicando melhor as fases do TP)! Nos pródromos, a barriga pode permanecer dura por poucos segundos a muitos minutos, com a sensação de dor também variando de mulher para mulher. Algumas mulheres sentirão essas contrações leves que vão e vem em ritmos irregulares por algumas horas, outras por alguns dias e outras ainda podem sentir por até algumas semanas. ⁣Durante o trabalho de parto, essas contrações que até então poderiam passar desapercebidas pela gestante chegam com força total! É praticamente impossível não notá-las, tanto em nível de dor, quanto ao olhar para a barriga da parturiente (por isso, não fique com receio de não perceber que está em trabalho de parto, isso acontece muito mais nos programas do Discovery do que na vida real)! ⁣⁣Nesse caso, as contrações chegarão em intervalos mais regulares (5/5 ou 3/3 minutos, por exemplo) e vão durar entre 40 e 70 segundos, tempo em que a mulher sentirá uma dor que vai aumentando progressivamente como numa onda, atinge seu ápice e vai diminuindo, na mesma medida que a barriga amolece e volta ao normal, até a próxima contração! Por isso, quando falamos que a mulher teve 15 horas de trabalho de parto, não significa que ela passou 15 horas sentindo uma dor ininterrupta, e sim durante aqueles minutinhos de contrações (pois durante intervalos a dor desaparece ou ao menos diminui MUITO, tempo em que é possível caminhar, se alimentar, conversar, rir e às vezes até cochilar). É a natureza nos ajudando a aguentar o tranco, né?!

⁣⁣Onde dói? Algumas mulheres sentem a dor da contração “no pé da barriga” (uma boa notícia: não é na barriga toda, costuma ser só lá em baixo mesmo) como uma cólica BEM intensa, enquanto outras sentem nas costas! Algumas irão sentir no cinturão completo (pé da barriga e costas) e outras podem notar irradiando pelas pernas (mais raro). Também é comum que a cada fase do trabalho de parto, conforme o bebê encaixa mais e muda sua apresentação na pelve, a localização e a característica da dor varie bastante também. A dor costuma ser absolutamente suportável na fase latente, muito intensa na fase ativa e diminuir no período expulsivo! ⁣⁣No período expulsivo, é comum que a dor na hora da contração seja “substituída” pela vontade de empurrar (os famosos puxos), podendo inclusive doer muito menos nesse momento do que no restante do trabalho de parto até então (não é uma regra absoluta, mas acontece bastante do período expulsivo ser a fase mais tranquila de todo o parto, ao contrário do imaginário popular). ⁣⁣Após o nascimento do bebê, o útero contrai novamente para expulsar a placenta, mas o desconforto desse episódio nem se compara à tudo que já aconteceu (nesse caso, a dor costuma durar pouco tempo ou até passar desapercebida, uma vez que a mãe já está distraída com seu bebê no colo). Por fim, durante as primeiras mamadas, o estímulo causado pela ocitocina (hormônio responsável duplamente pela contração uterina e pela ejeção do leite) gera pequenas pontadas conforme o útero esteja voltando para o lugar! ⁣⁣

Se você já pariu, conte aqui nos comentários como foram as suas contrações! E se você ainda não pariu, quais são seus maiores medos?⁣

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *