Streptococus B

Cerca de 10 a 30% das mulheres tem uma bactéria chamada Streptococus do Grupo B (EGB) vivendo tranquilamente em seu corpo, e a grande maioria será assintomática. Durante o pré natal, alguns profissionais solicitam um exame de cotonete (swab) para detectar a colonização dessa bactéria no canal vaginal ao final da gestação (a partir de 36 semanas), para então administrar antibiótico no dia do parto de 4 em 4 horas até o bebê nascer. No entanto, o fato da bactéria estar presente no exame não significa que a mulher esteja com uma doença/infecção (a não ser que no exame de cultura de urina esteja positivo, aí sim indicando infecção na mulher, o que é bastante raro). 

Para uma mulher portadora de EGB em um parto de baixo risco, a chance de que o bebê contraia uma infecção é de apenas 1 a 2%. Ou seja, o risco existe, mas em números absolutos ele é baixo. Por isso, a conduta varia de acordo com o protocolo e o país. No Brasil, o Ministério da Saúde retirou a necessidade de colher esse exame do pré natal de baixo risco, pois estudos mostram que o tratamento com antibiótico durante o trabalho de parto não faz diferença na quantidade de óbitos de recém nascidos por sepse (embora diminua o número de infectados para 0,2%). 

Se o profissional e/ou a mulher optar por não colher o exame, algumas situações de maior risco podem requerer antibiótico profilático no dia do parto, como: bebê prematuro, gestação anterior cujo filho teve infecção, urocultura positiva na gestação atual (o que é uma infecção indicada no exame de urina, e não do cotonete), febre no trabalho de parto ou bolsa rota há mais de 18 ou 24 horas. 

Resumindo: aqui no Brasil não é recomendado pelo MS a realização universal do exame. Caso ele seja feito e dê positivo, a mulher tem a opção de tomar antibiótico intravenoso durante o trabalho de parto (sabendo que isso diminui a chance do bebê contrair uma infecção, mas não de vir a óbito) ou de não fazer nada com essa informação e assumir que os riscos são baixos de qualquer maneira. Ou, ainda, de fazer uso de antibiótico seguindo os fatores de risco listados acima. 

Marque todas as gestantes que você conhece nesse post!

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *