Viajar com bebês

Após todos esses anos trabalhando e convivendo diretamente com mães, eu sempre tive certeza de uma coisa: quando tivesse filho, aproveitaria para viajar enquanto ele ainda estivesse em aleitamento materno exclusivo! E foi a melhor coisa que fiz! A praticidade de simplesmente colocar o peito p/ fora e resolver todas as situações de sede e fome (fora as outras coisas como “medo”, “tédio”, “sono”, etc) inclusive no avião é uma janela de oportunidade que não deve ser desperdiçada, se for possível! Por isso viajamos agora, faltando poucos dias para ele completar 6 meses e iniciar a introdução alimentar. Sei que depois as coisas ficarão um pouquinho mais complexas.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Pesquisei bastante e optei por fazer o teste dessa primeira viagem em um Resort All Inclusive, de forma que não precisasse sair de lá para nada (nesse momento eu não queria pensar na logística de passeios, restaurantes, trajetos de carro com a necessidade de levar um car seat, etc)! Como nunca havíamos viajado antes com o bebê, um dos meus primeiros critérios foi escolher um lugar com vôo direto e poucas horas de vôo! Optamos pelo Iberostar Selection Praia do Forte (chega por Salvador, pouco mais de 2h de vôo de Brasília e mais 1 hora de carro) e não tenho do que reclamar.

Vôo: achei super tranquilo, talvez pela curta duração! Eu tinha uma preocupação com o incômodo no ouvidinho que ele pudesse sentir, pois agora ele costuma mamar apenas quando está com fome/sede (o ato de sugar equaliza a pressão do pouso e decolagem) e nós não usamos chupeta ou mamadeira (outras opções que poderiam ser utilizadas para esse fim)! Mas dei sorte dele estar mamando ou dormindo em todas as vezes, então ele não demonstrou nenhum desconforto! Nos dois vôos ele tirou longos cochilos e no restante do tempo ficou brincando no colo e fazendo amizades com outros passageiros, rs. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Levei alguns brinquedinhos e mordedores, mas na maior parte do tempo ele ficou  interagindo com a gente mesmo e prestando atenção no que acontecia! Eu também estava com a mochilinha dele que eu levo pra qualquer lugar, contendo sempre uma troca de roupa, fralda, wipes, desinfetante da mãozinha (pra ele), álcool em gel (pra gente), pano de boca, fraldinha de pano, uma manta ou coeiro, etc! 

Alimentação: no nosso caso foi apenas leite materno, mas os resorts costumam oferecer espaços de “copa baby” para preparo e armazenamento da comidinha dos bebês, além de você poder montar um pratinho saudável com as opções do buffet mesmo (lembrando que abaixo de 1 ano é recomendado que a comida não tenha nenhum sal, e após 1 ano sal com moderação)! É sempre possível pegar ou pedir para a cozinha umas frutinhas cortadas, legumes cozidos, etc! Se o bebê tiver qualquer restrição ou alergia alimentar, informe ao RP do hotel que eles providenciam comida especial! Se você não confia nisso, leve suas marmitinhas.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Para mim:  quando eu estava em restrição de dieta pela suspeita de APLV do Pedro, descobri que boa parte dos grandes resorts ofereciam alimentação especial para pessoas com restrição, bastava falar com o RP deles e depois conversar com o nutricionista responsável! Como conseguimos descartar o diagnóstico antes da viagem, pude aproveitar tudo que o hotel tinha para oferecer (com exceção da minha restrição habitual de ser vegetariana, claro)! 

Sono: você pode verificar no hotel se disponibilizam berço! Eu pedi essa opção para testar, mas achei o espaço interno pequeno e pouco seguro, então acabei usando esse berço do hotel como “cercadinho” quando eu precisava me arrumar e nos organizamos para dormir de outra forma: tinha duas camas de casal normal no quarto (ou uma king, podia escolher), então eu fiquei em uma delas – encostada na parede e fazendo cama compartilhada com o bebê. Para falar a verdade, achei que ele dormiu melhor assim do que em casa, rs! Talvez por ter mais espaço, talvez por se cansar mais durante o dia, ou por estar comigo do lado. Acordou menos vezes lá do que aqui. 

Nas sonecas, quando ele dava sinais de sono, colocávamos ele para dormir onde estivéssemos (se era no restaurante ele dormia no carrinho, se era na piscina ele dormia em uma esteira forrada com uma toalha ou coeiro, etc). Eu não voltei para o quarto nenhuma vez para ele dormir, só para o sono após as 19h, em alguns dias. 

À noite, algumas vezes levamos ele para o restaurante e fiz ele dormir no carrinho (amamentei lá mesmo, ele dormia mamando e eu transferia, ou ficava no colo), mas senti que foi a opção mais estressante para ele! Ele não dormiu com facilidade devido ao barulho e iluminação, e acordava de novo muito antes do normal (ainda durante o jantar). Em outros dias, fizemos ele dormir no quarto e nos revezamos no jantar com a minha mãe (que foi também com o namorado dela): enquanto um casal jantava o outro velava o sono dele lá no quarto. Para ele, essa opção sem duvidas é a melhor, pena que não dá pra fazer sempre né? Mas lá no resort eu vi muitos pais jantando super tarde com os bebês acordados no carrinho, e confesso que não sei qual a fórmula para isso, hahaha! São bebês que certamente foram acostumados a dormir bem mais tarde, pq o Pedro quando dá 19h não importa o que aconteça ele fica desesperado para dormir, além do que ele não fica de boa no carrinho (prefere colo, ver o que está acontecendo, participar, etc).

Banho: levei a banheira inflável de patinho (está nos destaques) e usei todos os dias para o banho relaxante da noite! Os banhos da manhã eu dava no chuveiro mesmo, junto com o banho do pai, pela praticidade! O patinho foi útil (também dá p/ levar e brincar na piscina, etc), mas não foi indispensável, caso vc queira dar todos os banhos no chuveiro é super possível…

Cosméticos: mostrei todos que levei nos stories que estão salvos nos destaques! Basicamente: pomada preventiva de assadura (confesso que quase não uso), pomada tratamento de assadura (só se precisasse, não precisou), shampoo + sabonete de banho (sempre uso um 2 em 1, várias marcas são assim), wipes, hidratante, protetor solar, repelente. Só levei protetor e repelente pq faltavam poucos dias para ele fazer 6 meses, pois só são permitidos a partir dessa idade e mesmo assim apenas algumas marcas e modelos específicos são adequadas para bebês menores de 2 anos! Pesquisem! O repelente acabei nem usando. 

Farmacinha: um SOS em caso de necessidade composto de antitérmico, corticóide para uma eventual reação  alérgica (ex: uma picada, etc), uma pomadinha natureba de alívio de dentinhos, termômetro, as homeopatias que eu já dou, aspirador nasal e soro fisiológico, etc! Eu não precisei usar nada disso (ainda bem), mas é importante levar. Lembrando que a farmacinha deve ser avaliada junto ao pediatra para abarcar a individualidade e necessidade de cada bebê (e em viagens mais longas e/ou para outros países com certeza incluiria outras coisas). 

Vestuário: levei um romper (aqueles macaquinhos curtos de botão), um body + short e um macacão de dormir por dia! Também tinha as roupas com proteção UV (levei 3), 2 sungas fofas só pra tirar foto (pq na real não precisa de sunga nessa idade), 3 chapeuzinhos com proteção UV (dois deles dava p/ entrar na piscina e molhar, além de ter proteção nas orelhas e nuca). Dois bodies de manga comprida just in case (não precisou pq o calor lá era de matar). Dois casaquinhos e duas calças apenas para o avião. Nenhum sapato (pelo destino ser praia, se não eu poderia até levar alguma coisinha só pra compor o look ). Acabaram sobrando algumas roupas pq ele passava um bom tempo com as roupas de proteção UV e só tirava depois que molhava, ou até mesmo só de fralda (tomando café da manhã no restaurante, por exemplo, ou no quarto). Mas com criança é sempre bom pecar pelo excesso, ainda mais se vc não pretende lavar! ⠀⠀⠀⠀

Outros itens: levei várias paninhos de boca, babadores e fraldinhas de pano. Muitos coeiros (usei todos, para forrar as esteiras de sol para ele dormir na hora das sonecas), 2 toalhas de banho e 2 toalhas de praia (poderia ter sido menos, mas usei todas), uma bóia para piscina com proteção UV, brinquedos e mordedores. Calculei 5 fraldas normais por dia + 1 pants para dormir e 2 de piscina! Sobraram fraldas (mas com criança nunca se sabe). ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Rotina: não fiquei escrava de rotina! Cada dia eu sentia o que era mais fácil de fazer, e fazia! Depois que todo mundo acordava pra valer, nos arrumávamos para descer, tomávamos café, depois piscina, almoço, curtíamos o resort e só no fim do dia íamos para o quarto tomar banho e descer para jantar! Eu levava a mochila com tudo que pudesse precisar o dia todo para não precisar subir no quarto toda hora.

Dá trabalho viajar com criança? Claro que dá! Mas dá trabalho cuidar de criança em casa também, então por esse critério eu prefiro ter trabalho na beira da piscina curtindo uma caipiroska do que na sala de casa, rs! Quis fazer o teste de viajar nessas condições privilegiadas (all inclusive, vôo curto, etc) para sair um pouco da rotina e me sentir mais corajosa e preparada para as próximas aventuras! O Pedro amou a piscina (ele adora água, vê de longe e já fica doido batendo as perninhas e bracinhos querendo entrar), entramos todos os dias na piscina por alguns minutinhos. Quanto ao mar, ele ficou um pouco assustado com as ondas fortes e não quis nem colocar o pezinho na água (colocou, mas chorou em seguida e se agarrou comigo)! Não deixei ele na areia (só os pezinhos também), pois além dele ainda não dominar completamente a posição de sentar sozinho, coloca tudo na boca o tempo todo, sem contar que devido ao derramamento de óleo a praia estava imprópria para uso (não tinha muito óleo visível, apenas pequenos pedaços na areia, mas ainda assim o hotel não recomendava o banho).⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Senti que em alguns momentos ele ficou um pouco estressado com o calor e talvez com a quebra da rotina, mas foi minoria do tempo! Na maior parte do tempo ele estava muito ativo, alegre, simpático e fazendo amizade com todo mundo. E quando voltou para casa, também percebi que ele adorou! Ficamos 5 dias fora (numa rotina completamente diferente) e acredito ter sido o tempo ideal para essa idade em uma primeira vez. Claro que em viagens para casa de familiares, por exemplo, onde se passa a maior parte do tempo em casa e tranquilos, etc, mais dias podem ser super legais também. 

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *